terça-feira, 6 de abril de 2010

Não vi furacão, mas vi chuva


No final de 2009, eu fiz um post sobre o dia em que o Brasil ficou sem luz, por falta de infraestrutura. Agora, volto aqui para, infelizmente, bater na mesma tecla.

Hoje, dia 6 de abril, poucos meses após o apagão, nosso país se mostra extremamente vulnerável àquilo que nunca foi novidade: a chuva. Literalmente, homens das cavernas tinham que lidar com ela. Agora, em plena "Era da Comunicação e Tecnologia", poucos dias após os europeus conseguirem recriar o Big Bang em laboratório, chove no Brasil. A coisa mais simples da natureza. Aqui já não temos furacões, terremotos, vulcões... só chove. E gera o caos.

O problema é que, desta vez, gerou consequências mais sérias. Dezenas de pessoas morreram no Rio de Janeiro desde ontem. Aulas foram suspensas. Ruas tornaram-se rios. Encostas, um perigo iminente pra quem mora perto delas. Transporte parou. E isso não apenas no Rio, mas em diversas regiões do Brasil; lá foi a área mais afetada.

Agora, eu faço uma simples pergunta ao leitor: como um país que vai sediar uma Copa do Mundo daqui a apenas quatro anos, se considera em desenvolvimento, e tem uma das maiores economias do mundo, não tem infraestrutura para suportar a chuva, a simples chuva?