terça-feira, 31 de março de 2009

Call of Juarez - Review by Drakkar

Pois é, a coisa anda meio lerda por aqui. O Corrêa está extremamente focado num projeto para com o governo irlandês sobre... eu poderia dizer, mas teria que matar vocês. O Pyro caiu. Mas, isso pode mudar (ou não) pois, vejam pelo lado bom, vocês ainda tem o Drakkar!
E já que nenhum assunto me passa pela cabeça, vou postar sobre gamereview. De novo.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Quanto ao jogo...

O jogo se chama Call of Juarez, tenho certeza de que vocês já ouviram falar. Famoso, ou quase isso. De Velho Oeste. Enfim, é um jogo que ocupa muito pouco do HD para os padrões atuais e mesmo assim consegue ser tão bom graficamente quanto outros títulos.

Dados Técnicos:
Lançamento: 12 de Junho de 2007
Requisitos mínimos
Processador: 2.2 GHz Pentium 4/Athlon 2400+
Memória: 512 MB
Placa de vídeo: GeForce 6600/ Radeon 9800
Espaço Livre em Disco: 2 GBs

História: 9,0
A história do jogo é o seu forte. A introdução conta que, quando o imperador dos astecas, Montezuma, foi preso na capital asteca pelo conquistadores espanhóis uma grande quantidade de ouro foi reunida para pagar o resgate. Mas, após a cidade ser saqueada o ouro sumiu e foi enterrado bem mais ao norte, perto da divisa mexicana com os EUA. E as lendas diziam, ainda, que quem procurasse o ouro seria amaldiçoado pelo deus asteca que colocou uma maldição no ouro. Daí que começa o jogo. O jogador começa o jogo depois da guerra civil americana, ou seja, bem depois da introdução, com Billy, um jovem que fugiu de casa pra achar o tal ouro e não achou nada, e está voltando pra casa. Então quando ele volta pra casa da mãe e de seu padrasto, acha ambos mortos, é visto saindo da cena do crime e é acusado de assassinato e perseguido pelo povo, pelo xerife, por bandidos, assaltantes, mineradores, assassinos e pior de tudo: pelo irmão do padrasto dele, Ray, que também acha que ele fez os assassinatos e sai atrás dele por vingança. O Ray é um padre velho fanático que acha que, quando Billy sai em sua fuga desesperada pelo país, é a vontade de Deus que ele o siga e o mate, e a todos no caminho que ele ache justo. Então sai o Billy fugindo e se escondendo, uns bandidos atrás dele que acham que ele sabe onde fica o ouro, e Ray atrás, matando todo mundo, enquanto Billy tenta descobrir quem matou seus pais e está por trás disso tudo.

Gráficos: 8,5
Apesar de ter apenas 2 GB, o jogo tem gráficos muito bons e, por isso, obviamente que é pesado.
Especialmente bons são as caras e os modelos dos personagens e o cenário bastante realista de uma cidadezinha do Velho Oeste e seus arredores.

Jogabilidade: 8,0
O jogo tem dois protagonistas diferentes, o Billy e o Ray, e reflete suas características. As fases com o Billy são paradas, onde você controla uma pessoa que não pode se proteger e, por isso, não pode ser descoberta.
É preciso paciência nessas fases, e algumas vezes se tornam até monótonas demais. Já as fases com o Ray são muito movimentadas, cheias de explosões, pessoas morrendo e muito tiroteio (a pé, a cavalo, com espingarda, revólveres, dinamites, rifles, tudo). Outra característica importante das fases com o Ray é o bullet time com os revólveres (o tempo se torna mais lento, dá pra ver o tiro acertando em câmera lenta as pessoas, enfim, igual a umas cenas do Matrix). Ah, e o jogo, apesar de violento, não permite que se atire em animais nem em pessoas e bichos mortos.

Replay: 7,5
Uma das partes não tão boas do jogo é o foco exclusivo na história. Apesar desta ser muito boa, o jogador não pode fazer missões extras e nada que não tenha feito na vez anterior que zerou o jogo a não ser jogar a mesma história de novo.

Música: 8,5
Outra parte muito boa do jogo é sua música, que reflete a situação que o jogador se encontra, seja de fuga, tiroteios, tensão, ou nenhuma dessas.

Bugs, erros, etc: 8,0
O jogo não deu erros comigo, nem com alguém que eu saiba, mas tem um grande contratempo: o tempo que demora pra carregar. Acredite, demora. Muito.

Média Geral: 8,25
Um bom jogo pra quem gosta de tiro em primeira pessoa, de Velho Oeste ou pra quem quer jogar um título novo com pouco espaço ocupado no HD. Porém, requer paciência pois demora para carregar e para passar de algumas fases.


Nota do Corrêa:
Assistam ao verdadeiro "Chamado de Juarez".