terça-feira, 16 de julho de 2002

PodCast 025 - Made in Japan, Email de Jonathan Richard

Email enviado por Jonathan Richard

Boa Noite pessoal do Mathinga Braba, aqui quem fala é o Jow, conhecido pelos eventos a fora como Tio Ichigo ou Inuyasha.

Primeiro gostaria de dizer que o trabalho de vocês é ótimo e o podcast sempre muito divertido. Entrando agora no assunto do e-mail, como sou um OTAKU registrado, não pude deixar de perceber que vocês cometeram algumas falhas nas informações transmitidas no “PodCast 025 - Made in Japan”, mas acredito que isso se deva principalmente ao fato de vocês não terem conhecimento real sobre este lado escuro do mundo. Então, buscando concertar algumas informações erradas, ou complementar algo que tenha ficado faltando, farei para vocês um pequeno resumo da história dos Mangas e Animes.

“Os mangas do estilo que conhecemos hoje, olhos grandes, expressões exageradas e gotas caindo da testa, surgiu após a Segunda Guerra Mundial, apesar do manga já existir aproximadamente desde o século XVII. Esse novo estilo de mangas, influenciado pelas revistas norte-americanas e que busca temas mais leves para “amenizar” um pouco o efeito dos desastres da Segunda Guerra, o estilo chamado de “manga fantasia” criado por Osamu Tezuka trouxe elementos únicos para apresentar os personagens do sucesso “Kimba – O Leão Branco” (que foi uma das inspirações do sucesso da Disney para O Rei Leão) e A Princesa e o Cavaleiro.

Em 1962, veio a 1º produção televisiva intitulada Manga Calendar. No ano seguinte (1963) os desenhos japoneses começaram a tomar forma de Anime. Osamu Tezuka iniciou a fase com seu Tetsuwan Atomu (Astro Boy), quase sempre operando no vermelho, tal era a sua vontade de ver seu personagem em movimento.

Embora a primeira associação relacionada à manga, a Associação Brasileira de Desenhistas de Manga e Ilustrações, tenha sido criada em 3 de fevereiro de 1984, o "boom" dos mangas no Brasil aconteceu por volta de dezembro de 2000, com o lançamento dos títulos Samurai X, Dragon Ball e Cavaleiros do Zodíaco pelas editoras JBC e a Conrad (antiga Editora Sampa).

Esses, porém, não foram os primeiros a chegar ao território brasileiro. Alguns clássicos foram publicados nos anos 80 e começo dos anos 90 sem tanto destaque, como Lobo Solitário em 1988 pela Editora Cedibra, primeiro manga lançado no Brasil, e Akira publicado pela Editora Globo. Porém, a publicação de vários títulos foi interrompida e o público brasileiro ficou sem os mangas traduzidos por vários anos.

Na década de 90, com a inconstância do mercado editorial brasileiro, existe pelo menos uma revista nacional no estilo manga que conseguiu relativo sucesso: Holy Avenger. A partir do final de 1994, com o lançamento de revistas que traziam varias matérias sobre animação que eram em sua maioria sobre os inesquecíveis Cavaleiros dos Zodíaco exibido pela TV MANCHETE, lembrando que ela já tinha sido responsável por trazer grandes títulos como Jiraya e Jaspion e mais para frente Shurato e YuYuHakusho, os animes e mangas mostraram sua verdadeira força em solo nacional.

Apesar da aceitação do estilo de história em quadrinho japonês, a maioria das edições vêem ao Brasil com determinadas alterações quanto ao número de páginas por edição. Muitas vezes, dividem pela metade cada edição, elevando demasiadamente o custo pela coleção.

O sucesso dos animes e mangas se deve principalmente a grande variedade de temas abordados e das formas de expressão, que faz com que eles atinjam um publico que vai desde infanto-juvenil até os adultos.”

Bom é isso pessoal, depois de “pequeno” resumo da história dos animes e mangas ser enviado a vocês eu já posso dormir mais tranqüilo (mentira). Continuem com o ótimo trabalho. Abraços, Sayounara Bye Bye.